Passagens

o blog do Wanderley Geraldi

Pobre educação pobre

No nosso Brasil de todos e do presidente Bolsonaro, e dos seus partidários políticos poderosos, e da pequena parcela pervertida do povo bolsonarista, a pobre educação pública pobre está sendo perseguida, pervertida e cada vez mais pobre. É de assustar o poder da letra...

Meu pai tinha um papagaio

Os papagaios que habitam a Ilha Bela estão aparecendo em voos baixos pela praia de Barequeçaba! Estranho. Antes saíam da ilha para o continente, em voo alto, pela manhã, e seguiam direto para a reserva da mata atlântica que nos rodeia. Agora, deram para voar baixo, e...

O AÇÚCAR, de Ferreira Gullar

O branco açúcar que adoçará o meu café nesta manhã de Ipanema não foi produzido por mim nem surgiu dentro do açucareiro por milagre.   Vejo-o puro e afável ao paladar como beijo de moça, água na pele, flor que se dissolve na boca. Mas este açúcar não foi feito por...

O lírio vermelho, de Anatole France

Este romance foi publicado em 1894, portanto mais de 30 anos depois de Flaubert ter imortalizado Madame Bovary. Para o leitor, Mme. Teresa Martin-Bellème lembrará uma Bovary urbana, ainda que Teresa não seja pintada com as mesmas cores psicológicas com que Flaubert...

80 Tiros

Estava em curso. Ela podia sentir, desde muito pequena não se enganava sobre as coisas e pessoas. Tinham exceções, mas as aceitava como se fosse preciso mesmo errar, sabia ser uma tolice pensar que se aprende com erros, às vezes sim, das vezes que não. O acerto é que...

Direita volver! marcha! metralhar a esquerda!

Este é o grito de ordem do presidente na marcha do novo governo. E quem não marchar à direita vai preso pro quartel. Ou morre fuzilado. Uma pergunta inocente e ingênua: se o nazismo era de esquerda, Bolsonaro e ministro Ernesto Araújo não seriam de esquerda, também?...

Anotações do Diário de um Corvo

Pode acontecer. Normalmente com escritores de renome. Mas também um pobre escriba, por engano da sorte, também consegue. Foi o que me aconteceu. Sou daqueles que ainda recolhem da rua, quando vindo para casa, material reciclável: minha baixa presença na luta pela...

O ANJO, de Ferreira Gullar

O anjo, contido em pedra e silêncio, me esperava.   Olho-o, identifico-o tal se em profundo sigilo de mim o procurasse desde o início.   Me ilumino! todo o existido fora apenas a preparação deste encontro.   2 Antes que o olhar, detendo o pássaro no voo, do céu...

A sorte entre migalhas

Todos os dias ela acordava cedo, e como se pudesse, permitia-se tomar um café demoradamente, esvaziava-se de seus desejos ali mesmo, gole após gole. Ao fim, estava vestida de toda sociedade: Cada sorriso, cada olhar, cada gesto, cada cor e desbotar, os cabelos bem...