Passagens

o blog do Wanderley Geraldi
Com licença poética de Adélia Prado

Com licença poética de Adélia Prado

Quando nasci um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou: vai carregar bandeira. Cargo muito pesado pra mulher, esta espécie ainda envergonhada. Aceito os subterfúgios que me cabem, sem precisar mentir. Não tão feia que não possa casar, acho o Rio de Janeiro...

MEMÓRIAS DO SUBSOLO NO SUPREMO

MEMÓRIAS DO SUBSOLO NO SUPREMO

“Bobokl, bobok, bobok” – estranhas vozes enervadas e desdenhosas ecoam no plenário do supremo, em colóquios revesados nas sessões litúrgicas dos togados, sempre em atitudes e posturas rigorosamente solenes e sagradas. As togas vestidas a rigor;os cabelos cortados e...

Ciro, o mau caráter: Haddad, o bom mocismo

Ciro, o mau caráter: Haddad, o bom mocismo

Dois políticos emergiram como temas nesta semana que passou, o primeiro como sempre com sua “metralhadora giratória” como disse Luis Nassif: o segundo fazendo críticas à presidenta Dilma, dizendo lenha para o fogueira inimiga, ao dizer que ela colaborou para que o...

O livro sobre nada, de Manoel de Barros

O livro sobre nada, de Manoel de Barros

É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez. Tudo que não invento é falso. Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira. Tem mais presença em mim o que me falta. Melhor jeito que achei pra me conhecer foi fazendo o contrário....

No tempo de Patrocínio, de Ciro Vieira da Cunha

No tempo de Patrocínio, de Ciro Vieira da Cunha

Em dois volumes, esta biografia romanceada de José Carlos do Patrocínio, redesenha o fim do século XIX e os começos do século XX, numa Rio de Janeiro de fins do império. E obviamente, é a Rua do Ouvidor o espaço mais estrito da história que aqui se conta, mas também...

Senhor e sem hora

Senhor e sem hora

Muitas vezes falta. Não aquela que Freud anunciou, mas tantas outras e várias. E então, eu me visto de substância líquida, como as relações atuais, e estou de novo pronta para meu exílio de dentro, desses que a gente tem febre de saudades. Imagino ter saudades da...

“QUEM NÃO FAZ COM AMOR FAZ NA DOR”

“QUEM NÃO FAZ COM AMOR FAZ NA DOR”

Ainda outro dia – mais um da minha vida muito breve – eu estava caminhando pelas avenidas e ruas da minha cidade, aferindo e conferindo a degradação ambiental, lubrificada pela ganância do consumismo desenfreado da mítica “fase planetária” dos seres humanos. Ao chegar...

Nos meus pastos, a bela vaca Cal

Nos meus pastos, a bela vaca Cal

O estancieiro examina feliz os pastos cujos limites se perdem no horizonte. São exatamente 4,9 mil hectares, divididos em algumas invernadas... todas povoadas de bois, vacas, bezerros. São vidas animais que trazem lucro, algum lucro, sempre menor do que o esperado e...

Meu desejo, de Leodegária de Jesus

Meu desejo, de Leodegária de Jesus

Não quero o brilho, as sedas, a harmonia Da sociedade, dos salões pomposos, Nem a falaz ventura fugidia Desses festins do mundo, tão ruidoso! Prefiro a calma solidão sombria, Em que passo meus dias nebulosos; Sinto-me bem, aqui, à sombra fria Da saudade de tempos mais...

MORTES POR BALAS PERDIDAS – EFEITOS COLATERAIS

MORTES POR BALAS PERDIDAS – EFEITOS COLATERAIS

É isso mesmo! As mortes de crianças nas favelas, por balas perdidas ou achadas certeiras, na visão dos gênios empoderados, são efeitos colaterais inevitáveis da guerra contra os criminosos. Chefes de nações – do Brasil e do mundo – já disseram e declararam para o...

Hilchenbach, de Alexander Wollschläger

Hilchenbach, de Alexander Wollschläger

Ganhei este livro de meu amigo, Prof. Dr. Bernd Fichtner. Hilchenbach é a pequena cidade em que ele vive. Estive por lá muitos dias... A Alemanha tem estas surpresas: densamente povoada, tem muitas metrópoles, mas com poucos habitantes. As pessoas se distribuem nestas...