A má intenção dos comentários de Sardenberg

Quem teve a paciência de ouvir mais uma vez o JN da Globo, no seu repeteco chamado de Jornal da Globo, ontem (15.09.2015) teve a oportunidade de surpreender-se com o comentarista econômico Sardenberg. Analisando as propostas do ‘pacote de ajuste fiscal’ anunciado pelo governo, tenta embaralha as propostas ao tentar classificá-las entre aquelas que efetivamente são ‘cortes de gastos’ e aquelas que não são ‘cortes de gastos’ já que estes ainda sequer existem. Entre estes últimos, a suspensão dos concursos públicos, a redução de investimentos previstos no PAC, o direcionamento das emendas parlamentares para o PAC e para a saúde. Não importa quais. O sempre mal intencionado Sardenberg afirma que o governo na verdade não está cortando gastos já que estes gastos ainda não existem!!! Esquece simplesmente o ideólogo rasteiro que estava comentando a proposta orçamentária, logo uma previsão do futuro e não o que se vive no presente! Está certo que todos podemos criticar, mas manipular ideologicamente os fatos como se fossem informações insuspeitas, procedentes de um ‘sábio’ economista, é mais do que má intenção explícita. É também desvalorizar e desrespeitar a inteligência dos seus interlocutores (os pacientes espectadores).

Há algum tempo Sardenberg é um corvo agorento. Prevê à noite a catástrofe que ocorrerá no dia seguinte. Na noite deste dia seguinte, retoma seu refrão “o mercado não reagiu conforme o esperado”. E seus empregadores não o demitem por incompetência porque na forma de ‘comentário’ tentam tornar a opinião pública naquela que publicam.

Uma coisa é discordar de propostas, e não sou um defensor do que propõe o governo neste momento (na verdade, sou a favor da CPMF, o único imposto que até o tráfico pagará, além de mostrar a sonegação dos legalmente estabelecidos). Outra coisa é manusear fatos e usar do poder que concedem os meios de comunicação para emburrecer a todos com sua ignorância esperta.     

João Wanderley Geraldi é reconhecido pesquisador da linguística brasileira e formou gerações de professores em nosso país. Há já alguns anos iniciou esta carreira de cronista-blogueiro e foi juntando mais leitores e colaboradores. O nome de seu blog vem de sua obra mais importante, Portos de Passagem, um verdadeiro marco em nossa Educação, ao lado de O texto na sala de aula, A aula como acontecimento, entre outros. Como pesquisador, é um dos mais reconhecidos intérpretes e divulgadores da Obra de Mikhail Bakhtin no Brasil, tendo publicado inúmeros livros e artigos sobre a teoria do autor russo.