Passagens

o blog do Wanderley Geraldi

Dois poemas de Walt Whitman

A TI, Ó DEMOCRACIA Venha, farei o continente indissolúvel, Farei a mais esplêndida raça sobre a qual o sol jamais brilhou, Farei divinas terras magnéticas Com o amor dos camaradas, Com o amor de toda vida dos camaradas. Plantarei o companheirismo copioso como árvores...

A costa dos murmúrios, de Lídia Jorge

Este excelente romance da portuguesa Lídia Jorge desenvolve-se em dois planos distintos, tendo por pano de fundo as revoltas pela independência de Moçambique (ou a chamada “guerra colonial portuguesa”) e a movimentação da tropa na repressão aos rebeldes. No primeiro...

Reunião do Conselho Superior

Graves, sisudos, eles vão chegando e tomando assento naquela ampla sala com a longa mesa e com cadeiras de espaldares altos. Nada que lembre as atuais salas de reuniões de executivos de uma grande empresa. Não: tudo ainda é antigo, digno, severo, austero. Foram...

AGORA SIM, ARMADOS – CUIDADO!

Os que mandam no Brasil, hoje, acreditam que a melhor maneira de encarar, enfrentar e combater os criminosos é estar armado. Ser como eles, os criminosos, com revolver na cintura, na bolsa, na mochila, na gaveta, no armário, debaixo do travesseiro...Por vontade, obra...

A elegância dos quero-queros

Como são habitantes dos campos do sul da América Latina, particularmente nos pampas, fico imaginando que viagem fizeram aqueles poucos quero-queros que habitam a praia de Barequeçaba. Teriam sido trazidos por alguém? Teriam voado para cá e ficaram perdidos numa praia?...

Epigráfico, de Adélia Prado

A anelante argila põe brincos de diamante porque ama a Beleza e nisto é tenaz, na fé de sobreviver à morte, a que não existe. Pois vêm da vida os mortos falar a alma o que só ela escuta. Contra o que se sente toda filosofia é mesmo vã, o livro é sagrado quando o...

O diabo coxo, de Luis Vélez de Guevara

É divertido ler hoje um livro de 1641. Perdem-se as referências mais ou menos diretas às personagens históricas das críticas irônicas e mordazes. Perdendo o particular, ganha-se na compreensão do que permanece como fundamento constitutivo das relações sociais nesta...

Assembleia geral dos animais

Estavam todos cansados com os desmandos do chefe dos animais daquele grande potreiro da Fazenda antigamente chamada de Modelo por um poeta e cantor; hoje o nome mudou, é Fazenda da Fazenda Maior. Nada mais. Ainda assim continua grande, com campos, brejos e florestas....

Dois poemas de Mensagem, de Fernando Pessoa

Os campos O DAS QUINAS Vendem os Deuses o que dão. A gloria compra-se a desgraça. Ai dos felizes, porque são Só o que passa!   Baste a quem basta o que lhe basta O bastante de lhe bastar! A vida é breve, a alma é vasta: Ter é tardar.   Foi com desgraça e com vileza...

O tronco, de Bernardo Elis

Este é um romance regional, cujo ambiente é o sertão goiano, o norte de Goiás (grande parte do território em que se dão os fatos da narrativa está hoje localizada no estado de Tocantins). Os tempos são aqueles do coronelismo em que cada chefe de clã, com suas vastas...

As muitas cores da humanidade

Tenho somente uma sobrinha-tataraneta, uma menina sapeca que gosta muito de “cocó”, e tem sua cocó preferida que não pode sequer ser lavada, pois quando a lavam, ela a esfrega no chão para que volte a ter o mesmo cheiro... Pois minha sobrinha-tataraneta é fruto da...