Poética, de Maria Mortatti

A mim me foi dado inventar.
Meu ofício é recolher o óbvio,
dar-he casa e comida
e com ele me deitar.
 
Não sei se é poesia ou víscera
isso que mostro.
Sei apenas que, do lado de dentro,
alguma coisa cresce e remexe
como lava no vulcão.
Eu simplesmente cedo
ao impulso de parir palavras,
apará-las em trapo de papel
e soltá-las na vida
com um sopro de alívio.
 
Não sei se fecundarão outros sentidos
em quem acolher sua bastardia.
Basta saber-me livre
do peso da vida,
para oferecer, em cada esquina,
um corpo suscetível
às aventuras de um novo cio.

(Maria Mortatti. Breviário amoroso de Sóror Beatriz. S. Paulo : Ed. Patuá, 2019)
 

João Wanderley Geraldi é reconhecido pesquisador da linguística brasileira e formou gerações de professores em nosso país. Há já alguns anos iniciou esta carreira de cronista-blogueiro e foi juntando mais leitores e colaboradores. O nome de seu blog vem de sua obra mais importante, Portos de Passagem, um verdadeiro marco em nossa Educação, ao lado de O texto na sala de aula, A aula como acontecimento, entre outros. Como pesquisador, é um dos mais reconhecidos intérpretes e divulgadores da Obra de Mikhail Bakhtin no Brasil, tendo publicado inúmeros livros e artigos sobre a teoria do autor russo.